Masahiro Ito’s label/reversible jacket for Silent Hill: Downpour


430837_383825588367309_5769298_n

This is the Japanese Reversible jacket artwork from Silent Hill: Downpour cover, done by the talented and well known Masahiro Ito.
Below is the normal cover of the japanese version of the game, also made by Masahiro Ito.

181871_435546399833207_1063459524_n

Advertisements

Silent Hill exhibition in Paris [UPDATED]


UPDATE: Check out a video of this exhibition in Paris, kindly shared by  alexleserveur

http://www.dailymotion.com/embed/video/xwa9da

Did you know that a Silent Hill Exhibition is taking place in Paris – France?
It started November 29 and will remain open for public until December 20 at Galerie Chappe, 4 Rue Andre Barsacq 75018 Paris.

This exhibition is composed by Masahiro Ito Original artworks, featuring the well known Pyramid Head and other emblematic characters and creatures from Silent Hill. You can also see works by Hans Bellmer, Joel Peter Witkin, H.R. Giger, Pierre Molinier and Francis Bacon.

Here are some pictures of the exhibition:

If you’re near Paris, you cannot miss this opportunity!

 

ExpoSilentHill-MasahiroIto-Lady-CourtesyGalerieChappe ExpoSilentHill-MasahiroIto-PyramidHead2-CourtesyGalerieChappe ExpoSilentHill-MasahiroIto-PyramidHead-CourtesyGalerieChappe ExpoSilentHill-MasahiroIto-Room-CourtesyGalerieChappe tumblr_meeho5eBEV1rpiv8lo1_1280 tumblr_meeho5eBEV1rpiv8lo2_1280 tumblr_meeho5eBEV1rpiv8lo3_1280 tumblr_meeho5eBEV1rpiv8lo4_1280 tumblr_meeho5eBEV1rpiv8lo5_1280 tumblr_meeho5eBEV1rpiv8lo6_1280 tumblr_meeho5eBEV1rpiv8lo7_1280

Silent Hill: Revelation 3D – Review (English Translation)


TRADUÇÃO EM PORTUGUÊS

Silent Hill: Revelation 3D follows the events of its predecessor, released back in 2006, starring Radha Mitchell in the role of Rose, a desperate mother looking for a healing to the suffering of her adoptive daughter who takes her to the demoniac town of Silent Hill, where strange things happen, leading Rose to the answers behind Sharon’s (her adoptive daughter) relation with the town, taking the first game as inspiration.

One of the most interesting aspects of the first movie is how the story remains “open” through an ambigious ending that creates doubts about Rose and Sharon’s fate, as well as it opens the horizon to a new direct sequel, that actually took six years to appear.

Silent Hill: Revelation, then follows the events of the first movie and counts with Adelaide Clemens on the role of Heather Mason (protagonist of the 3rd game). Here, Heather is on the run with her father, Harry Mason (Sean Bean), always being chased by dangerous forces that she cannot fully understand and torment her through nightmares since she was a child. However, things change on the day of her 18º birthday, when strange things start happening and Heather discovers that she isn’t who she thinks she is. Joining all this is the disappearence of her father, Harry, who is taken to the town of Silent Hill. Heather follows his trace and, with the help of a mysterious guy named Vincent, faces a hellish reality that hides secrets about her very own identity and her true connection with the town.

If the first movie was based on a much more poetic narrative, full of suspense moments, Silent Hill: Revelation adopts a approach specially based on the action, instead of the prolonged tension. This might be one of the weakest points of the movie, because, in over 90 minutes (very reduced duration) there aren’t many moments that allow the spectator to create a true connection with the narrative, specially because of the fact that the action is too fast and chained in a very synthetic way. Basically, things happen almost at the same time as we are taken to autentic levels of a videogame. For exemple, when Heather is in a certain situation, she only needs to go through a door and a new independent situation happens overlapping the previous. In the end, this paraphernalia of actions make each one of them not developed enough. This method, however, still works well, because it is able to represent the source (Silent Hill 3) in a very reliably way – Something that, in my opinion, despite of what many people said, the first movie also did very well. Anyway, Silent Hill: Revelation 3D brings alot of elements from the games, not only narrative elements but also pictorial, that call many parts of the videogames! As a fan, it was amazing to recognize many of the elements on the scenarios, such as the original “Brookhaven” map and the red shoe on Jack’s Inn.
In a global way, I must say that this was an excelent adpatation of the videogame, many scenes well represented, such as the carousel one, near the end. The Dramatism of this moment was perfect, complemented by good dialogues that fulfilled Adelaide Clemens performance. Still about the dialogues, it must be said that many of them fell short on what we could expect of such good actors. A big part of the speech was basically created to make a free delivery of the plot, having the characters themselves explaining the story, always calling flashbacks from the first film. The performance of Kit Harrigton also fell short, in my opinion. This probably happened thanks to some poor dialogues and a not so good direction by Michael J. Bassett. Basically, none of the character is developed enough to let us create a special empathy. Heather is actually the only character with whom we can interact, but still, we cannot feel a evolution on her role. Douglas Cartland (Martin Donovan) has a couple of minutes of attention and then suffers a terrible destiny, offering his original role to Vincent “Cooper” (Kit Harington), while Claudia Wolf (Carrie Anne-Moss) remains as the main antagonist but in a lower level, thanks to the short time she has on the screen. Anyway, I can understand why this happens. With a scarce 90 minutes, we couldn’t wait for a much bigger depth on the narrative, in a way that would do justice to every single characters from the game. However, it is a clear fact that many decisions weren’t well made.

Well, in the field of well made decisions, I can enounce many, featuring the Art department that made a fantastic job in every single part of the movie, giving Silent Hill: Revelation, a very strong visual, extremmely close to the source of its inspiration. I’d also point the creature design, made by the well known Pattrick Tatopoulos. Even if there was some controversy about the appearence of creatures from the first film, on this one, I believe they worked very well, specially when we talk about Pyramid Head, who sees his role much stronger in this sequel. Despide of the fact that his role has suffered huge changes, I think his purpose on this film was put together very well, and created a new vision of the meaning of the emblematic Red Pyramid Thing, making the audience create an unlikely relation of empathy with this “not so scary” creature.

Joining all the visuals field is the Sound, one of the best elements of this movie. Starting in the very first frame and ending on the very last word from the credits, all the Silent Hill: Revelation sound design is amazing, thanks to the talent of the well known Akira Yamoaka in colaboration with Jeff Danna. The intensity variations and all the rhythm, serve the action perfeclty, intercalating the silence with a very Silent Hillish ambience, always helping to pace the accelerated action. Once again I use the carousel scene as exemple of a very good soundesign. Lastly, still on the sound department, the music of the credits after the CGI sequence, must be refered. The song is called “Silent Scream” and is performed by Mary Elizabeth McGlynn on the vocals.

Finally but not least, I must refere the 3D component which follows Heather on his journey in Silent Hill: Revelation. There’s not doubt that this element adds alot to the experience on the theater, specially on some ocasions that allow a chilling imersion on the movie, taking us to a extreme sensation of interactivity with the characters themselves, the action and scenarios. One of these moments happen in the very beggining of the session, when the ashes start falling from the “fog”. Some other effects, however, fell short on what I was expecting, things such as the typical flying objects that come out of the screen, that  failed to meet the expected effect. Anyway the details and the definition of each shot worth the price thanks to the tridimensionality that, gladly, didn’t see an abuse of it’s use.

VEREDICTO FINAL:

Overall, Silent Hill: Revelation, despite of not being a art piece, of all, is still able to present itself and a consistent movie, staying true to the roots of its inspiration source. The true negative point of this movie lives on the too acelerated action and in some bad dialogues, consequence of a reduced duration that obligated a bigger concentration of the story that developes too fast, creating almost no oportunities to create a relation with the narrative. In the other hand, Silent Hill: Revelation 3D shows very strong visuals, an amazing performance by Adelaide Clemens and a fantastic sound department, working together with a 3D complement that offer a stunning experience on the theaters.
Right now we can only pray for a new possible sequel and hope that it happens in a near future and not in 6 years!

7//10

Special Thanks:

Silent Hill: Revelação 3D – Análise


ENGLISH TRANSLATION 

Silent Hill: Revelação 3D segue os acontecimentos do seu antecessor, lançado em 2006 e protagonizado por Radha Mitchell, no papel de Rose, uma mãe desesperada para encontrar a cura para o sofrimento da filha adoptiva que a leva até à cidade maldita de Silent Hill, onde episódios estranhos têm lugar e conduzem a respostas ao mistério por detrás da relação entre Sharon (filha adoptiva) e a cidade, tomando por inspiração o enredo do primeiro jogo da série Silent Hill.

Um dos aspectos mais interessantes do primeiro filme é efectivamente a forma como toda a história é deixada em aberto, através de um final ambíguo que deixa o espectador na dúvida sobre o destino de Rose e Sharon, e abre os horizontes a uma provável sequela directa, sequela a qual leva seis anos a surgir!

Silent Hill: Revelação segue então os acontecimentos do primeiro filme e conta com Adelaide Clemens no papel de Heather Mason. (protagonista do terceiro jogo da série.) Aqui Heather está em fuga com o pai, Harry Mason (Sean Bean), sempre perseguidos por perigosas forças que ela ainda não compreende e que a atormentam através de pesadelos que tem desde criança. No entanto, as coisas mudam drasticamente no dia do seu 18º aniversário quando episódios estranhos começam a acontecer e Heather percebe que não é quem pensa que é. A juntar a tudo isto está o simultâneo desaparecimento do pai, Harry, que é levado para o reino maldito de Silent Hill. Heather segue o seu rasto e com a ajuda de um misterioso rapaz, Vincent, enfrenta uma realidade demoníaca que guarda segredos sobre a sua identidade e a sua verdadeira ligação com a cidade.

Se o primeiro filme se apoiava numa abordagem narrativa mais poética, repleta de momentos de suspense, Silent Hill: Revelação, vem adoptar uma abordagem especialmente centrada na acção, ao invés da tensão prolongada. Este pode ser um dos pontos menos bons deste filme, ao longo de cerca de 90 minutos (duração bastante mais reduzida face ao primeiro filme), são poucos os momentos que permitem ao espectador criar uma verdadeira relação com a narrativa, uma vez que a acção passa-se demasiado rápido e encadeada, por vezes, de forma sintética. No fundo as coisas acontecem quase todas ao mesmo tempo, à medida que somos transportados através de autênticos níveis de um videojogo. Por exemplo, Heather está numa determinada situação, entra numa porta e uma nova situação tem início, praticamente superando a anterior. No fundo, esta parafernália de acções acaba por fazer com que cada uma seja pouco desenvolvida e acabe por saber a pouco! No entanto, não deixa de funcionar bem, uma vez que cada acção é capaz de representar de forma bastante fidedigna, a fonte de inspiração – Silent Hill 3 – Algo que na minha opinião, ao contrário do que muitos pensam, o primeiro filme também conseguiu fazer satisfatoriamente. De qualquer forma, Silent Hill: Revelação 3D vem trazer uma série de elementos não só narrativos mas também pictóricos, que invocam várias partes dos videojogos! Como fã, foi gratificante reconhecer elementos nos cenários que se referiam a momentos específicos dos jogos. O melhor exemplo disso tem lugar no “Brookhaven Asylum”, graças à presença dos mapas originais, bem como o sapato vermelho no quarto do Motel “Jack’s Inn”. Numa visão geral, há que dizer que esta foi uma excelente adaptação do videojogo, muitas cenas fielmente representadas, como a do carrossel, perto do final. O dramatismo deste momento é fantástico, complementado por bons diálogos que completam a grande prestação de Adelaide Clemens. Ainda referente a diálogos, há que referir que muitos deles ficaram à quem do que se poderia esperar de grandes actores. Grande parte do diálogo existe para oferecer gratuitamente o enredo mais denso do filme, tendo os próprios personagens a explicar a história milimétricamente, contando com recorrentes flashbacks correspondentes ao primeiro filme. A prestação de Kit Harrigton ficou também bastante à quem do que se fazia esperar, talvez graças ao facto de grande parte dos diálogos serem pobres e a própria  direcção de actores feita por parte de Michael J. Bassett, ser também insuficiente. No fundo nenhuma personagem é realmente desenvolvida ao longo do filme para que seja possível uma especial empatia. Heather é a única personagem com a qual conseguimos interagir mas até nela, não é possível reconhecer uma evolução. Douglas Cartland (Martin Donovan) tem direito a poucos minutos de atenção e o seu destino é terrível  dando o seu papel original ao jovem Vincent (Kit Harrigton), enquanto Claudia Wolf (Carrie Anne-Moss) continua a ser a principal antagonista mas num nível inferior graças ao seu pouco tempo de antena. De qualquer forma é compreensível que assim seja, com uns escassos 90 minutos, seria pouco provável criar uma maior profundidade na narrativa ao ponto de fazer jus a todos os personagens intervenientes, mas é facto que algumas decisões não foram acertadas.

No campo das decisões acertadas, podem ser referidas várias, dando-se destaque ao departamento de arte que realizou um trabalho fantástico em todas as  partes do filme, dando a Silent Hill: Revelação um visual bastante credível e absolutamente próximo da fonte de inspiração. Destaque também para o design das criaturas, levado a cabo pelo conhecido Pattrick Tatopoulos. Apesar de ter gerado alguma controvérsia em volta da comunidade de fãs, a utilização de monstros do primeiro filme, resultou bastante bem, dando destaque ao emblemático Pyramid Head, que viu o seu papel crescer nesta sequela. Apesar da mudança de propósito, face à fonte de inspiração original, a utilização desta criatura como guardião de Alessa funcionou na perfeição, fazendo o público estabelecer uma improvável relação de empatia e até mesmo de pena para com o não tão assustador e ameaçador Red Pyramid “Thing”.

A juntar a toda a componente visual está o som, um dos melhores elementos do filme. Desde o primeiro frame até aos créditos finais, toda a componente sonora de Silent Hill: Revelação, está magnificamente executada, graças ao talentoso e veterano Akira Yamoaka em colaboração com Jeff Danna. As variações de intensidade e ritmo servem a acção perfeitamente, intercalando o silêncio com uma ambiência própria da série Silent Hill, ajudando assim a ritmar a acção acelerada. Mais uma vez, destaca-se a cena do carrossel, com uma sonoplastia muito boa. Por fim, ainda no departamento de som, há que referir a música dos créditos finais, depois da sequência em CGI, toca Silent Scream, música criada especialmente para este filme, e que conta com os dotes vocais da cantora residente, Mary Elizabeth McGlynn.

Por fim, mas não menos importante, há que referir a componente 3D que acompanha a jornada de Heather em Silent Hill: Revelação. Este é sem dúvida um elemento que adiciona muito à experiência em cinema, especialmente em certas ocasiões onde se dá uma imersão arrepiante no filme, levando ao extremo a sensação de interactividade com os próprios personagens, acção e cenários. Uma destas ocasiões dá-se logo no início quando a sala de cinema se enche de cinzas. No entanto outros efeitos ficaram à quem do esperado, como os típicos objectos que saltam do ecrã, que em maioritariamente não conseguiram cumprir com o efeito pretendido. De qualquer forma, o detalhe e a definição de cada plano graças à tridimensionalidade, valeu a aposta nesta vertente que felizmente não viu um abuso na sua utilização.

VEREDICTO FINAL:

No geral, Silent Hill: Revelação, apesar de não ser, de todo, uma obra prima, consegue apresentar-se como um filme consistente, mantendo-se fiel à fonte de inspiração. O seu verdadeiro ponto negativo reside na acção acelerada e em alguns diálogos mal concebidos, consequência da reduzida duração do filme que obrigou a uma maior concentração da história que se desenvolve demasiado rápida, criando poucas oportunidade de relação com a narrativa. No entanto apresenta um visual bastante forte, aliado a uma componente sonora brilhante e a um complemento 3D que oferece boas experiências na sala de cinema.
Resta agora aguardar por uma possível sequela e torcer para que venha a ver a luz do dia num futuro mais próximo que seis anos!

7//10

Agradecimentos especiais:

Featured post

Antestreia de Silent Hill: Revelação em Portugal


Este post é especialmente para todos os fãs portugueses que pertencem ao blog!
Pois é, Silent Hill: Revelation 3D chega a Portugal já no próximo dia 22 de Novembro, com o nome de Silent Hill: Revelação 3D!  Desta vez uma tradução exacta da fonte, ao contrário do que sucedeu com o filme anterior, lançado dia 5 de abril de 2007 em território Português, contando com o nome de “A Maldição do Vale”.

Poderei então finalmente assistir ao filme no cinema em 3D dia 21 de Novembro (graças ao fantástico apoio da Pris Audivisuais, distribuidora do filme em Portugal), na sua antestreia, pelo que podem contar com uma análise fresquinha no próximo dia!

Entretanto partilhem (ou continuem a partilhar) este blog entre os vossos amigos para assim ser possível tornar Inner Fear na maior comunidade Silent Hill, não só a nível internacional mas também nacional!

Silent Hill: Revelação 3D coming to Portuguese theaters


I’m extremmelly excited to see Silent Hill: Revelation 3D on theaters, here in Portugal, being released on November 22, only 10 days left!
I’m glad this time we won’t have to wait over one year to see the movie, just like it happened with the first film! Silent Hill: Revelação 3D is the translated title for the second film, something that makes me think about something else, the fact that in Portugal the 1st movie’s title was translated as “Maldição do Vale” (The Curse of the Hill), this new change won’t help the continuity between both first and second film here in Portugal… let’s see what they have in mind!

Anyway, as soon as I get out of the theater, I’ll let you know what I thought of the movie in a review!

Here’s another promo for Silent Hill: Revelação 3D in Portugal:

WordPress.com.

Up ↑